O "cigano" de rodas

Ciclista brasileiro atravessará o continente de bicicleta

“Gosto de explorar o gosto do novo, sou um constante insatisfeito e preciso de novidades a todo instante. No fundo eu sabia que em algum momento da minha vida, minha casa iria ser um pedaço do mundo”. Foi com essa frase que Rafael Parra descreveu a sua vontade eterna de uma aventura como a que ele está fazendo. O jovem hoteleiro se cansou do stress da cidade grande e no final de 2013 largou tudo para atravessar o Mercosul acompanhado da Jurema, sua bicicleta.

Rafael Parra apelidou a sua bicicleta de Jurema. (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal).
Rafael Parra apelidou a sua bicicleta de Jurema. (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal).

Segundo Parra, a fagulha que faltava para que essa vontade de viajar explodisse foi o livro “Pelos Caminhos de Nuestra America”, de Rafael Limaverde. “No dia 23 de dezembro de 2013 me vi refém de uma cidade, sufocado dentro do meu próprio “casulo”. Eu precisava recuperar minha liberdade.  Foi então que me vi nas entrelinhas desse livro como personagem principal”, comentou Parra.

Quanto ao roteiro da viagem, Rafael disse que “Os ventos já mudaram”. Inicialmente o paulista pretendia passar por todos os países banhados pelos oceanos Atlântico e Pacífico. Porém, o ciclista está rumando para Boa Vista, na Amazônia e de la pretende alcançar o Monte Roraima para então retomar os planos originais da viagem.

Para se manter saudável durante todo o percurso, Parra disse que aprendeu a comer comidas que não são as industrializadas ou pré-preparadas. “O Nordeste me ajudou muito em relação à minha alimentação. Aprendi o grande poder das raízes, frutas e legumes que são de fácil cozimento. Me apresentaram alternativas nutritivas, funcionais e práticas, o que hoje eu apelidei de gastronomia minuto”.

"O movimento da vida é a eterna despedida", Rafael Parra. (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)
“O movimento da vida é a eterna despedida”, Rafael Parra. (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

Visando o menor custo de viagem possível, Rafael Parra decidiu que iria dormir na própria barraca ou na casa de pessoas que o acolhessem. Assim, além de acessórios para fazer uma revisão na bicicleta e artigos para o seu vestuário, Parra ainda precisa levar uma barraca nas costas. Ao todo são 60 quilogramas além do seu peso para a Jurema aguentar.

Mesmo assim, a Trek Séries 4, modificada por Parra, está aguentando bem. ” Nesses quatro mil quilômetros que percorri troquei apenas um pneu que já estava gasto e as pastilhas de freio que também precisavam ser trocadas. Tive 16 furos sendo que três deles foram no mesmo dia!”, comentou Rafael Parra.

“Nem tudo são flores. 60 kg de bike na areia fofa!”, Rafael Parra. (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)
“Nem tudo são flores. 60 kg de bike na areia fofa!”, Rafael Parra. (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

O paulista está curtindo muito a sua viagem e não tem data para voltar. “Estou na estrada somente há cinco meses e sinto que nem estou perto dos meus limites então nem pensei quando vou voltar ainda (…) Na verdade nem sei que dia é hoje (risos)”, disse Parra.

"O medo que te impede de tentar é o mesmo que o limita a crescer", Rafael Parra. (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)
“O medo que te impede de tentar é o mesmo que o limita a crescer”, Rafael Parra. (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

 

Quando perguntado sobre quais são os melhores e piores momentos de uma viagem como essa, Rafael disse que o melhor é toda vez que ele chega de bicicleta a um novo destino, “Sinto que completei mais uma etapa do objetivo do qual me comprometi”. Já em relação aos momentos mais difíceis Parra disse que “As piores situações são as despedidas. Criamos vínculos intensos com pessoas a todo instante e as despedidas são extremamente dolorosas”. Porém, o ciclista completou dizendo que  por mais que seja difícil, essa é a proposta dessa viagem e “O movimento da vida é a eterna despedida”!

Rafael, a Kanui te deseja uma boa sorte para o Rafael Parra nessa sua nova empreitada!

Ps: uma aventura dessa chega até a inspirar, né? Então não deixa a animação ir embora e corre buscar sua bicicleta, ou acessórios para ela, na Kanui,